quinta-feira, 4 de abril de 2013

Operações culturais no olival

   Nestes dias de feriados de Páscoa arranjei tempo para avançar com os tratamentos das oliveiras.



   Resumo do que foi feito no olival (desde o seu inicio):
- mobilização com grade de discos
- instalação do olival, adubação na cova, com estrume
- adubação verde nas linhas desde o ano 1
- o terreno após a instalação não foi mais mobilizado
- o controlo da vegetação espontânea é feito por corte com roçadora
- a rega é localizada
- as podas feitas foram apenas de formação (ramos tortos, ladrões, muito baixos)
- este fim de semana estivemos a arrancar ervas das caldeiras das oliveiras e a colocar adubo orgânico.

 
   O olival tem cerca de 98 oliveiras, em linhas de doze. As primeiras 5 linhas foram instaladas no ano 0, as restantes 3 linhas foram instaladas quase no fim do ano 1.
   No ano passado retiramos as azeitonas as oliveiras mais novas, para as estimular a investir no crescimento vegetativo.
   É um trabalho duro e geralmente não  encontro mão de obra para ajudar. Depois deste trabalho ainda faltam 30 oliveiras, porque a chuva não deixou fazer mais.

   Talvez este ano já dê para fazer algum azeite. Dá muito trabalho "construir" uma pequena quinta desde o zero.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Broca dos troncos (Zeuzera pyrina L)

    A Zêuzera é borboleta que quando é lagarta vive no interior do tronco das árvores jovens ou nos ramos das árvores adultas. Ataca principalmente a macieira.


 
(imgens retiradas da net)
 
    No estado de desenvolvimento final é amarela e tem pintas pretas. A borboleta é branca com pintas pretas. Detecta-se a sua presença por causa das bolinhas cor de laranja (excrementos) que saem por um orifício.
    Provoca danos quando é lagarta, abrindo galerias nos troncos das árvores. Se não forem controladas podem matar uma árvore jovem ou partir ramos nas árvores adultas.
    Quando cheguei a quinta tinha uma macieira adulta infestada, passou para um marmeleiro e agora está a atacar as macieiras novas. O ideal é eliminar os focos de infestação.

    Quando a lagarta está no tronco não há insecticida que lhe chegue. O que me aconselharam foi um arame, enfiado pelo orifício visível.

 
(imagem minha

    Experimentei e inicialmente não deu muito resultado, mas com persistência, e com jeito, acabou por resultar. A broca abre varias galerias, por isso aconselho a enfiar o arame em varias direcções para atingir varias galerias e não só a principal.
    Também tentei injectar calda de urtiga e tapar os buracos. Não sei se funcionou, mas a árvore este ano não teve broca.
    Na imagem acima tive sucesso, o que está pendurado é a lagarta que consegui matar usando o arame.
  Como animais auxiliares temos as aves insectívoras (Pica-pau, poupa, Melro Pisco de peito ruivo e a Carriça).



Regresso

Por total falta de disponibilidade estive afastada do Blog bastante tempo. Recentemente recebi varios contactos através do blog e decidi arranjar um tempinho para voltar a "postar". Serão postagens irregulares mas significativas.
Aos que me continuam a visitar e expor dúvidas, obrigada.

sábado, 10 de novembro de 2012

Azeitonas: a 1ª colheita

     Ao longo do ano, quando faço "vistoria" às nossas oliveiras, para cortar os "ladrões" vou tirando as azeitonas que aparecem e deito fora. Uma arvore gasta muitas reservas na produção de frutos, se eu cortar estes frutos mal aparecem, "forço" a arvore a investir as suas reservas no crescimento vegetativo.

     Apesar de ter tirando grande parte das azeitonas quando ainda eram pequenas, lá houve uma ou outra que foi ficando.

    Hoje fomos apanhar o que havia. Agora vamos curti-las e depois tempera-las.

    Para o ano vou deixar ficar a azeitona das arvores mais velhas. Já deve encher dois baldes!!!

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O poço

Passamos o verão a olhar para dentro do nosso poço. Está sempre a entrar água mas pouca, tínhamos de esperar 2 dias para tirar 1m3.
Já que estava vazio, decidimos limpa-lo e sondar para ver se pode ser afundado.

 
É difícil encontrar gente para este trabalho. Loucos há muitos mas queríamos alguém que soubesse os riscos que corria. Encontramos.
Montaram tudo, tudo pronto...prometia... é desta que vamos ter mais água!
Não foi. Foi uma desilusão. O poço não estava sujo, conseguiram afundar 30 cm e depois sondaram: rocha/argila/rocha. Concluindo: não vale a pena afundar.
Pelo serviço de um dia, 350€. Foi caro porque o resultado foi quase nulo.


Instruções para o inverno: esvaziar o poço, em dias de forte trovoada para "abrir as nascentes". Mas continuamos com o problema da falta de água. Conselhos?

terça-feira, 30 de outubro de 2012

3 anos


Hoje estou de parabéns. O meu bebe faz 3 aninhos.
É uma pestinha mas muito meiguinha.
Completamente diferente da irmã: é birrenta, desobediente, traquina, mexida, desenrascada e independente.


Estou muito grata por ter as duas filhas que tenho.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Compota de abobora com nozes

Este ano tivemos pouca água no poço, por isso a horta foi muito pequena. Produzi apenas o essencial para os doces. Para alem disso as abelhas não foram abundantes. Reflexos das poucas flores e de outros problemas que estão a atingi-las. Isto vai ser um problema grave, no futuro.
Mesmo assim consegui algumas abóbora.


Já tinha encomendas...
Fazer compotas é um excelente anti-stress: não adianta ter pressa... não há corta-matos e o cheiro doce da canela traz memorias de outros tempos.
Sabiam que o olfacto é um desbloqueador de memorias? Quando as minhas filhas tiverem a minha idade, e voltarem a casa para uma visita, vão ter na mesa uma compota de abóbora e vão sentir o calor e a segurança de ser criança novamente.